Ir para o conteúdo

Artista venezuelana foi estuprada e queimada antes de morrer em Presidente Figueiredo

O casal tem cinco filhos pequenos. Todos foram entregues aos cuidados dos avós depois da prisão dos pais.

Julieta Ines Hernandez
Julieta Ines Hernandez 

A Polícia Civil do Amazonas informou que a venezuelana Julieta Ines Hernandez Martinez, 38 anos, foi estuprada e teve o corpo queimado. O casal que confessou o crime está preso. A reportagem é do site UOL.

tudo começou com o roubo de celular. A ideia teria partido de Thiago Angles da Silva, 32 anos. Ele passou os três dias anteriores fumando crack, informou o delegado Valdnei Silva, da 37ª Delegacia Interativa de Polícia de Presidente Figueiredo (AM).

O homem foi na direção de Julieta com uma faca na mão. Era cerca de 1h, na madrugada de 24 de dezembro, e a vítima dormia em uma rede esticada na área da pousada localizada em Presidente Figueiredo (AM).

Artista de circo, Julieta atravessava o Brasil de bicicleta. Saiu do Rio de Janeiro em direção a Puerto Ordaz, na Venezuela, onde sua mãe mora. No caminho, dormia onde era possível.

Na noite do crime, Thiago teria dado uma gravata e jogado a vítima no chão. Na sequência, mandou sua namorada amarrar os pés da viajante.

Deliomara dos Anjos Santos, 29 anos, teria recusado a ideia de roubar o celular, mas obedeceu. O casal também ficou com a bicicleta da venezuelana.

A artista e cicloviajante venezuelana Julieta Inés Hernández Martínez
A artista e cicloviajante venezuelana Julieta Inés Hernández Martínez Imagem: Reprodução/Instagram

Estupro na cozinha

Os dois moravam em uma pousada precária em Presidente Figueiredo, segundo o delegado. Ele afirmou que a dupla vivia no imóvel de favor havia sete meses e o quintal estava cercado de mato e lixo.

Mesmo assim, o estabelecimento recebe pessoas que atravessam a pé ou de bicicleta a BR 174 — a estrada liga Manaus a Boa Vista. O estabelecimento fica perto de um local para banho de rio.

Única hóspede naquela noite, Julieta foi arrastada para a cozinha e estuprada. Deliomara disse, no depoimento, que o namorado usou a faca para obrigar a artista a fazer sexo oral nele, segundo a polícia.

Thiago falou que a companheira ficou com ciúmes. Segundo o delegado, existem pontos divergentes nas declarações de ambos, mas os dois confirmam o estupro e a forma violenta como a situação foi interrompida.

Fogo em Julieta e Thiago

Fora de si, Deliomara atirou álcool na artista e no namorado e ateou fogo. A agressora permaneceu na cozinha.

Thiago socorreu Julieta, relatou o delegado. Ele apagou as chamas com um pedaço de tecido encharcado.Continua após a publicidade

A ajuda foi passageira, e Thiago aplicou outra gravata na venezuelana. A interrupção na respiração foi tão longa que a artista desmaiou.

O homem saiu para buscar ajuda no hospital de Presidente Figueiredo, contou o delegado. Ele teve o tronco e a cabeça queimados. Deliomaraficou em casa com a venezuelana desacordada no chão da cozinha.

Hora da morte

A artista foi arrastada por cerca de 15 metros e enterrada por Deliomara. O delegado explicou que o corpo foi depositado numa cova rasa. Um amontoado de lixo foi colocado para esconder a terra remexida.

O cadáver estava com as mãos e pés amarrados quando foi desenterrado. O estado avançado de decomposição não permitiu identificar se havia sinais de queimadura.

O delegado acrescenta que aguarda a perícia para saber o momento da morte. Existe a possibilidade de Julieta ter morrido na segunda gravata de Thiago.

O óbito também pode ter ocorrido porque a venezuelana foi enterrada viva. Não há garantia de que os exames conseguirão determinar quando a artista morreu.

Publicidade TCE
Publicidade UEA
Publicidade CMM

Mais Recentes