Ir para o conteúdo

Caso Djidja: inquérito aponta seita que incentivava o uso de drogas

As investigações do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) indentificaram que Cleusimar e Ademar Neto seriam os líderes da seita “Pai, Mãe, Vida”

A família reunida

O Inquérito Policial (IP) que culminou nas prisões preventivas dos empresários Ademar Cardoso Neto, 29, e Cleusimar Cardoso, 53, irmão e mãe da empresária Djidja Cardoso, 32, aponta a existência de uma seita intitulada “Pai, Mãe, Vida”. O grupo estimulava a utilização de drogas sintéticas de uso veterinário e a administração forçada dessas substâncias. A informações são do Toda Hora.

Na terça-feira, Djidja foi encontrada morta. A polícia suspeita que o óbito tenha sido provocado por overdose de ketamina, um forte anestésico. As investigações iniciaram nesse dia e apontam que a gerente do salão Belle Femme, Verônica Seixas, 31 anos, escondeu dentro da casa, situada no bairro Cidade Nova, frascos de entorpecentes com o objetivo de dissimular a causa da morte de Djidja.

As investigações do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) indentificaram que Cleusimar e Ademar Neto seriam os líderes da seita “Pai, Mãe, Vida” e atuavam com o auxílio de Verônica, além do maquiador e cabeleireiro Marlisson Vasconcelos Dantas, 29 anos, que também trabalhava no salão de beleza.

Depoimento de funcionários revelam que dentro da seita, Ademar seria Jesus, Djidja era Maria Madalena e Cleusimar se intitulava Maria.

Os funcionários informaram, ainda, que eram obrigados a participarem da seita e consumirem as drogas, entre elas a ketamina. As substâncias eram administradas por Ademar. Segundo ele,  o uso “auxiliava a resolver os problemas”. Uma clínica veterinária é investigada.

No decorrer das investigações, uma testemunha revelou que Ademar faz uso de entorpecentes há três anos e depois passou a usar Ketamina e também a distribuir a substância.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes