Ir para o conteúdo

Defesa da família de Djidja diz que seringas apreendidas em salão eram usadas para dosar shampoo

Até o momento, não há provas do uso de drogas entre os clientes do salão.

As seringas apreendidas no salão

Em coletiva de imprensa realizada neste domingo (2), a advogada Lidiane Roque, que representa a família de Djidja Cardoso, ex-sinhazinha do Garantido encontrada morta na última terça-feira (28), se pronunciou sobre as especulações envolvendo o uso de ketamina e a apreensão de seringas nos salões da vítima. A matéria é do AM Post.

Lidiane Roque esclareceu que as seringas encontradas no salão de Djidja, localizado no Vieiralves, em Manaus, não eram utilizadas para a administração de drogas, mas sim para dosar produtos de beleza como xampu e condicionador. “Não há provas de que clientes foram envolvidos ou drogados de qualquer forma. Pela apuração que fiz com os funcionários, as seringas continham xampu e condicionador. Eu sou cliente do salão e confirmo isso. Houve um mal-entendido. Funcionários me disseram que não tinham conhecimento de drogas nos salões”, afirmou Lidiane.

A advogada Nauzila Campos, também integrante da equipe de defesa, reforçou as declarações de Lidiane. “A Djidja precisa ser lembrada como a pessoa que cativava a galera vermelha. Esse episódio é um episódio da vida dela. Não sabemos de onde saiu, isso não consta no inquérito. O Dr. Cícero foi explícito em dizer que não existem provas de que clientes foram drogados”, declarou Nauzila.

O delegado Cícero Túlio, que participou da operação que apreendeu as seringas no salão, também esteve presente na coletiva. Até o momento, ele não encontrou evidências que confirmem o uso de drogas entre os clientes do salão.

As advogadas informaram que a coletiva de imprensa foi convocada para esclarecer o andamento das investigações e como procederão nos próximos dias. Desde a morte de Djidja, surgiram diversas teorias, inclusive a de que a família participava de uma seita que fazia uso excessivo de ketamina, um medicamento veterinário, o que teria levado Djidja à overdose.

Além disso, mãe, irmão e uma funcionária da rede de salões Belle Femme foram presos por suspeita de envolvimento com tráfico de drogas, o que adicionou mais complexidade ao caso. As advogadas estão trabalhando para esclarecer todos os pontos e garantir que a memória de Djidja Cardoso seja respeitada.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes