Ir para o conteúdo
AmazonasManausruas

Em 2023, Manaus ganhou 324 novos logradouros públicos, conforme base da prefeitura

A capital tem mais de 8,6 mil ruas, 2 mil becos e 1,8 mil travessas, somando ainda 252 avenidas

A cidade de Manaus ganhou 324 novos logradouros no sistema da prefeitura, em 2023, uma alta de 95% em relação aos 166 registros do ano anterior. A capital amazonense conta, hoje, com 12.958 logradouros públicos, distribuídos entre ruas, alamedas, becos, avenidas, travessas e afins, conforme a base de dados do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), junto à Gerência de Mobilidade Urbana (GMU). A capital tem mais de 8,6 mil ruas, 2 mil becos e 1,8 mil travessas, somando ainda 252 avenidas.

A atualização dos Códigos de Logradouros (CDL) é rotina no órgão, assim como a dos nomes das vias públicas, conforme legislação em vigor. O processo de nomenclatura atende legislação própria, com as leis municipais nº 266/94, que regula a identificação dos logradouros públicos, e a de nº 343/96, que define nova denominação dos logradouros. As mesmas atendem à legislação federal nº 6.454/1977, que também se refere a logradouros e denominação de bairros do município.

“As legislações municipais cumprem o que é estabelecido pela lei federal, que também prevê a impossibilidade de nomes de pessoas vivas. A prefeitura trabalha com um cadastro único. Para tirar dúvidas sobre a nomenclatura de uma rua, existe a Certidão de Endereço, expedida pela GMU, cuja primeira via é gratuita”, explica a gerente do setor, arquitetura e urbanista Carolina Azevedo.

Para escolha dos nomes são utilizados critérios, entre eles manutenção de tradições locais e homenagem a figuras públicas; fatos e datas representativas da história local, nacional ou geral; e referência a espécimes de fauna, avifauna e flora.

Em relação aos nomes de bairros, a Prefeitura de Manaus tem registrado, oficialmente, 63 bairros, conforme a lei nº 1.401/2010, a última atualização existente.

A análise de pedidos e revisões para nomes de logradouros públicos é feita pela GMU. A revisão da base de dados é realizada periodicamente. Em muitos casos, há uma diferença entre o nome oficial da via e o nome popular, aquele que a população e até mesmo concessionárias de serviços costumam usar para localizar endereços.

Pela legislação, não é permitido que as ruas tenham letras e números, para evitar a infinidade de ruas "A" ou "10", por exemplo. Esse uso é comum na abertura de um loteamento, onde o proprietário usa letras ou números, mas posteriormente é feita a nomenclatura oficial.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes