Ir para o conteúdo

Em Manaus, defesa de Lucas Picolé e Mano Queixo diz que é “impossível a manipulação” de rifas

O advogado frisou que o único problema seria a falta de autorização para explorar a loteria federal, caracterizando assim uma contravenção penal, e não um crime.

Lucas Picolé foi condenado a 3 anos e 4 meses de prisão, porém permanece em liberdade

Durante uma coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (20), o advogado Vilson Benayon assumiu a defesa veemente de seus clientes, João Lucas da Silva Alves, conhecido como “Lucas Picolé”, e Enzo Felipe da Silva Oliveira, o “Mano Queixo”, em relação às acusações de manipulação de rifas no contexto da Operação Dracma em Manaus. A matéria é do AM Post.

Benayon destacou que, segundo sua defesa, não houve qualquer manipulação nos resultados das rifas. O advogado argumentou que a exploração da loteria deve ser regulamentada junto à Receita Federal para garantir a auditabilidade. No caso específico, as rifas em questão estavam vinculadas aos sorteios da loteria federal, o que, segundo ele, torna impossível a manipulação desses resultados.

Além de contestar as acusações de manipulação, Benayon ressaltou a presença de informações consideradas inverídicas no processo. Ele enfatizou que a manipulação das rifas, vinculadas aos sorteios da loteria federal, é uma acusação infundada. O advogado frisou que o único problema seria a falta de autorização para explorar a loteria federal, caracterizando assim uma contravenção penal, e não um crime.

Durante a coletiva, Benayon mencionou a existência de uma cautelar determinada pela juíza que proíbe os réus da Operação Dracma de se manifestarem sobre o processo e de divulgarem qualquer tipo de jogo de azar sem autorização da Caixa Econômica Federal, órgão regulador da loteria.

Sobre o desfecho da Operação Dracma, Lucas Picolé foi condenado a 3 anos e 4 meses de prisão, porém permanece em liberdade. Além da pena, o réu também recebeu multa e está obrigado a prestar serviços à comunidade. Por outro lado, o influenciador Mano Queixo foi absolvido de todas as acusações, marcando um desdobramento diferenciado para os dois envolvidos no caso.

Publicidade TCE
Publicidade UEA
Publicidade CMM

Mais Recentes