Ir para o conteúdo

Fórum de Economia Criativa da Amazônia se traduz em ações concretas para o incremento do setor em 2024

Discussões iniciadas durante o evento não se encerraram com seu término e se transformaram em ações concretas

O sucesso do “Amazônia Criativa – 1º Fórum de Economia Criativa da Amazônia” se traduz em ações concretas que trarão incremento ao setor ao longo de 2024. O evento, realizado pela Valendo Economia Criativa da Amazônia entre os dias 11 e 17 de dezembro de 2023, não terminou com seu encerramento.

Ao contrário, as discussões iniciadas durante o Fórum serviram como farol para ações que se concretizarão ao longo de 2024 e nos próximos anos, fortalecendo a Economia Criativa, que desponta como uma nova e forte matriz econômica na região.

Já durante o mês de  janeiro será apresentado o legado deixado pelo Fórum com várias soluções e lançamentos negociados e desenvolvidos entre a Valendo Economia Criativa e os especialistas participantes do evento para implementação em 2024.

No mês de fevereiro, será lançada a Carta de Proposições Públicas, a ser encaminhada aos representantes e líderes do Amazonas, Organizações Empresariais e de Terceiro Setor com propostas para o desenvolvimento da matriz econômica no Estado.

Ações concretas

Dentre as ações concretas oriundas do Fórum, pode-se citar o lançamento do Marketplace de Produtos Beneficiados e Produzidos no Amazonas para todo Brasil, em parceria com a Brascomm, importante empresa que tem mais de mil clientes de todo o Brasil em seu portfólio. A Brascomm, aliás, foi agente de fomento desta primeira edição do Fórum.

Outra ação concreta que se desenvolverá ao longo do próximo ano é a criação do Distrito de Tecnologia e Inovação Moinhos, a ser inaugurado em 2024 pela Universidade Nilton Lins.

Em uma parceria entre a Valendo Economia Criativa da Amazônia e o estilista Sioduhi Piratapuya, será realizado um evento de moda que marcará o lançamento da coleção 2024 do estilista, previsto para o início do segundo semestre de 2024. Durante o evento, todo o universo da moda deve ser destacado com promoção da economia circular, agregando estilistas, modelos, figurinistas, maquiadores e demais trabalhadores ligados ao setor da moda.

Há ainda o lançamento do Instituto Acesso, parceria entre o presidente da Valendo Economia Criativa, Beto Contartesi, e a empresa Logic Pro, que iniciará um importante trabalho ligado ao ramo tecnológico para soluções e projetos de impacto para educação formativa e tecnologia aplicado à área social em 2024.

No Instituto Acesso, Beto Contartesi ocupará o cargo de secretário executivo em ação totalmente voltada para a área de tecnologia e inovação, um dos setores mais potentes da Economia Criativa Brasileira.

Ainda no próximo ano, será anunciado o Projeto Amazônia Gammer 2024 que reunirá grupo de empresas de educação, eventos e lojas de varejo do universo dos games para o desenvolvimento de diversas atividades e ativação deste também importante setor da Economia Criativa.

Legado

Para o presidente da Valendo Economia Criativa, Beto Contartesi, fóruns e eventos setoriais devem ser propositivos e deixar legados em suas execuções. “Foi isso que buscamos fazer durante o Fórum. É claro que projetos como estes já estão sendo trabalhados a muitas mãos e sendo desenvolvidos, mas o Fórum energizou e concretizou uma série destes tratos”, afirmou Contartesi.

“Acredito que 2024 será um ano muito proveitoso para conectarmos o Amazonas aos ecossistemas setoriais da economia criativa nacional e internacional. O estado demonstrou ao longo dos dias do Fórum, e por meio dos especialistas participantes, que tem recursos humanos, muita potência de ação e todas as condições de se inserir nesta matriz econômica de forma muito potente”, opina o presidente da Valendo Economia Criativa.

Para Rebecca Garcia, economista e empresária, participante do “Amazônia Criativa – 1º Fórum de Economia Criativa da Amazônia”, se faz cada vez mais importante e necessário o debate sobre Economia Criativa na nossa região.

“Vivemos em um momento no qual a Amazônia tem sido pauta central de uma economia sustentável tão necessária no cenário atual; contudo, temos poucas alternativas de um modelo econômico que gere emprego e renda para o Amazônida”, afirma Rebecca.

“É nossa missão encontrar caminhos viáveis que moldem um novo modelo econômico para região, dessa vez interiorizando este desenvolvimento por meio do fornecimento de insumos, diferente do modelo Zona Franca, que apesar de tão importante para nossa região não gera emprego para o homem do interior”, opina.

A segunda edição do “Amazônia Criativa – Fórum de Economia Criativa da Amazônia” está prevista para Dezembro de 2024 e terá abordagem objetiva dos setores econômicos mais potentes do Amazonas para ações e atividades de curto e médio prazo na Economia Criativa.

Publicidade TCE
Publicidade UEA
Publicidade CMM

Mais Recentes