Ir para o conteúdo

Governo do Amazonas traz amazonenses que foram afetados pelas enchentes do Rio Grande do Sul

Famílias chegaram em Manaus, às 1h40, e às 16h, deste sábado, em voos comerciais

A ação faz parte da Operação Amazonas pelo Rio Grande do Sul, que visa assistir as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul.

O Governo do Amazonas, por meio da Defesa Civil, iniciou a realocação dos amazonenses residentes no Rio Grande do Sul após o desastre das enchentes. O primeiro voo chegou a Manaus na madrugada deste sábado (17) com 34 passageiros.

O voo comercial saiu de Florianópolis e desembarcou às 1h40 da madrugada no aeroporto internacional Eduardo Gomes. Um segundo voo também saiu de Florianópolis no sábado, às 10h, e chegar em Manaus às 16h, trazendo mais 32 passageiros.

A partida de Florianópolis se deve à interdição dos aeroportos nas localidades afetadas pelas enchentes. Por essa razão, os cidadãos foram solicitados a se deslocarem para a capital de Santa Catarina, de onde embarcam de volta para Manaus.

A ação faz parte da Operação Amazonas pelo Rio Grande do Sul, que visa assistir as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul. Cerca de 100 pedidos foram recebidos pela Defesa Civil do Amazonas. Inicialmente, foi realizado o atendimento e levantamento de informações para uma análise detalhada da demanda e da logística necessária.

“É com muita felicidade que recebemos todas essas famílias que estavam com dificuldade de retornar ao Amazonas. E hoje estamos trazendo elas para que possam voltar às suas vidas dentro da normalidade”, destacou o secretário da Defesa Civil, Coronel Francisco Máximo.

Com base nessa análise, e considerando critérios de prioridade como questões de saúde, crianças e idosos, pessoas com deficiência (PCD), e estudantes isolados, a Defesa Civil deu início ao processo de realocação.

Critérios de prioridade como questões de saúde, crianças e idosos, pessoas com deficiência (PCD), e estudantes isolados são levados em conta

Entre os passageiros, estavam duas crianças com transtorno do espectro autista, uma criança com síndrome de Down, três famílias que estavam em abrigos e a maioria, pessoas que estavam alojadas na casa de amigos nas cidades de Porto Alegre, Canoas, Canelas e Gramado.

Emoção e gratidão

Alegria e emoção foram os principais sentimentos expressados pelos familiares que se reencontraram no aeroporto. O oficial de náutica, Sérgio Alexandre, 57, aguardou ansiosamente a chegada do filho, da nora e dos netos.

“Agradecemos ao Governo do Amazonas por essa força humanitária, e estou muito feliz por esse regresso de estar aqui abraçando meu filho novamente com a sua esposa, com meus filhos, e aqui poder dar um suporte legal para eles”.

A autônoma Ellen de Almeida se emocionou ao rever os familiares. “Graças a Deus estamos em casa e perto da família. A cidade de Porto Alegre está em uma situação caótica, assim como o estado todo. É um momento totalmente atípico e que ninguém esperava passar por tudo isso”.

A aposentada Heloísa Araújo agradeceu o apoio do governador Wilson Lima pela sensibilidade junto às famílias.

“Devemos isso ao governador do estado (Wilson Lima), porque foi ele que nos proporcionou esse bem-estar! Lá em Porto Alegre está muito difícil, mas graças a Deus deu tudo certo e chegamos aqui em paz”.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes