Ir para o conteúdo

Hospital universitário de Manaus ganha núcleos de saúde digital e telessaúde

Pertencente à Universidade Federal do Amazonas (Ufam), hospital é vinculado à Ebserh e atenderá também às comunidades indígenas do estado

Hospital Universitário Getúlio Vargas da Universidade Federal do Amazonas (HUGV/Ufam), vinculado à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), ofertará ações de telessaúde aos municípios e comunidades indígenas no estado do Amazonas. O lançamento do Núcleo de Saúde Digital e Telessaúde da unidade ocorreu na sexta-feira (14), em Manaus. O projeto é fomentado pelo Ministério da Saúde por meio da Secretaria de Informação e Saúde Digital (Seidigi), com investimentos de aproximadamente R$ 8 milhões por dois anos de execução.

O núcleo tem como objetivo oferecer serviços de saúde de forma remota, incluindo teleassistência, teleconsulta e telediagnóstico aos municípios e às comunidades indígenas no estado do Amazonas, visando o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS).  Para o diretor do Departamento de Saúde Digital da pasta, Cleinaldo de Almeida Costa, a transformação digital está presente na vida das pessoas e chegou também ao SUS. “O telessaúde digital leva a saúde de qualidade para quem efetivamente precisa dela. Aqui estamos falando em levar atendimento por meio de telessaúde para uma população indígena em todo o estado do Amazonas”, salientou.

Já o secretário de Saúde Indígena do ministério, Weibe Tapeba, disse que essa é uma iniciativa que levará atendimento especializado a quase 30% da população indígena brasileira concentrada na região. Ele evidenciou que o atendimento por telessaúde é uma estratégia para superar os vazios assistenciais na região. “É uma experiência que reduz as desigualdades sociais enfrentadas pela população indígena. Essa ação também representa inclusão digital nas Unidades Básicas de Saúde que atendem nossas comunidades”, disse.

A diretora de Ensino, Pesquisa e Inovação da Ebserh, Cristiane Carvalho, lembrou que o projeto do HUGV “irá levar mais especialidade, mais qualificação e melhor atendimento para a população mais carente, nos municípios mais distantes, que têm uma menor possibilidade de terem profissionais especialistas em seus quadros”.

Projeto Telessaúde Indígena

O projeto Telessaúde Indígena tem como objetivo principal oferecer ações de telessaúde aos municípios, comunidades ribeirinhas e povos indígenas do Amazonas. Essas ações consistem em teleassistência completa, ou seja, teleconsulta ou teleinterconsulta, além de telediagnóstico. O hospital irá ofertar essas ações em diversas especialidades como cardiologia, endocrinologia, neurologia, pneumologia, dermatologia, neuropediatria, pediatria, dentre outras.

Serão atendidos os 62 municípios do Amazonas, especialmente os territórios indígenas, ou seja, os sete Distritos Sanitários Indígenas (DSEIs) existentes no estado. Conforme informou o médico Pedro Souza, chefe da Unidade e-Saúde do hospital e vice-coordenador do projeto, diversas atividades de teleducação em saúde também estão previstas no âmbito do projeto e serão voltadas para os profissionais de saúde que atuam na atenção primária em saúde nos municípios do interior e na saúde indígena.

Publicidade BEMOL
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade UEA

Mais Recentes