Ir para o conteúdo

Médico forense que deu o laudo psiquiatra de Adélio Bispo vai atuar no 'Caso Djidja'

O advogado de defesa, Vilson Benayon, destacou que os presos estão sem qualquer tipo de tratamento adequado

Hewdy também participou dos casos de Suzane von Richthofen e Flordelis

A defesa de Ademar Cardoso e Cleusimar Cardoso  - irmão e mãe de Djidja Cardoso - além da gerente do salão, Verônica Seixas, vão trabalhar em conjunto com o médico psiquiatra forense, Hewdy Lobo Ribeiro, no 'Caso Djidja'. Os três estão presos desde o dia 30 de maio, durante a Operação Mandrágora, deflagrada pela Polícia Civil do Amazonas (PC-AM).

"Considerando que eles estão presos dentro do complexo prisional sem qualquer tipo de tratamento adequado conforme determina a lei, se fez necessária a nomeação urgente do especialista", explicou o advogado criminalista, Vilson Benayon.

Hewdy ganhou notoriedade em 2018 após realizar o laudo psiquiatra de Adélio Bispo de Oliveira, que esfaqueou o então candidato a presidência, Jair Messias Bolsonaro.

Ele também participou dos casos de Suzane von Richthofen e Flordelis.

Ele também é diretor da empresa Vida Mental Perícias,  que atua há 20 anos auxiliando advogados a esclarecem questões complexas sobre doenças mentais, dependências químicas e espectro autista em correlações com as leis penais, cíveis, trabalhistas e previdenciárias.

Desde a morte da ex-sinhazinha do boi Garantido e empresária, Djidja Cardoso, no dia 28 de maio, em sua casa. Os advogados do escritório Benayon & Advogados Associados assumiram a defesa da mãe, do filho e da gerente do salão, na área  do direito penal e criminal.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes