Ir para o conteúdo

Morte de presos por suposta overdose de drogas K é investigada em MG

A suspeita é de que ao menos seis mortes estejam associadas a overdose por drogas K

A Polícia Civil de Minas Gerais investiga a morte de 13 detentos em dois presídios em Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte. A suspeita é de que ao menos seis mortes estejam associadas a overdose por drogas K.

De acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública, sete pessoas que cumpriam pena no presídio Inspetor José Martinho Drumond morreram nos últimos dez dias. Em nenhuma delas os presos apresentavam lesões aparentes, segundo a pasta.

Outros seis óbitos foram registrados no Presídio Antônio Dutra Ladeira, entre dezembro de 2023 e abril deste ano. As causas das mortes, supostamente por overdose de drogas K, ainda estão sob investigação do Departamento Penitenciário de Minas Gerais e da Polícia Civil, e a secretaria ainda aguarda laudos da perícia técnica.

As drogas K –por exemplo K2, K9 e spice, entre outros nomes– são substâncias sintéticas desenvolvidas em laboratório com alto potencial destrutivo e efeitos que podem ser imprevisíveis.

A venda de drogas K foi banida pela facção PCC (Primeiro Comando da Capital) nos locais sob seu controle onde há venda de entorpecentes. A intenção seria a de não prejudicar o tráfico de outras drogas, a principal fonte de renda da organização criminosa.

A decisão foi tomada após líderes do PCC perceberem que o uso exagerado de K2 e K9 pelos jovens conhecidos como “avião”, que fazem o comércio nessas bocas de fumo, atraía a presença da polícia. Os reflexos da proibição já se refletem nas apreensões feitas em São Paulo, principal mercado da facção.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes