Ir para o conteúdo

Onças, iguana, macaco e jacarés gigantes têm esculturas esculpidas no parque Amazonino Mendes

A área total do parque envolve 134 mil metros quadrados, com projeto arquitetônico do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb)

Os gigantes estão na segunda etapa do parque, entre as avenidas Isaías Vieiralves e Olívia de Menezes Vieiralves, nas zonas Leste e Norte - Fotos: Foto: João Viana / Semcom

Uma verdadeira floresta gigante vai tomando formas, moldes, feições e acabamentos realistas na área cenográfica do parque Amazonino Mendes em obras pela Prefeitura de Manaus com seus 25 mil metros quadrados.

As equipes de construção e artísticas estão na fase de acabamento das esculturas em cimento das onças e dos seus filhotes, onde este cenário tem incríveis 40 metros de largura e 8m de altura. São três onças adultas e quatro filhotes. Os trabalhos envolvem desde a modelagem em acabamento feito em cima de estrutura metálica, esculpida artesanalmente, usando materiais como tubos galvanizados, tubos de ferro e vergalhão.

A área total do parque envolve 134 mil metros quadrados, com projeto arquitetônico do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), ampliando a urbanidade, lazer, esporte e entretenimento na capital.

No cenário dos jacarés, um dos mais adiantados, a modelagem em cimento está concluída, assim como a modelagem artística e detalhes de acabamento. A gigante iguana vizinha dos répteis também está pronta para a próxima etapa, para iniciar a pintura de arte. Neste cenário, os serviços de jacarés grandes e filhotes estão em 80% e a cobra em 30%. Nas onças, os trabalhos estão com 70% finalizados e nos macacos 65%.

Após estas finalizações, os trabalhadores vão se concentrar nos cenários de ninhos de pássaros, orquidário e insetos.

Segundo o escultor Stevan Gomes, nesta semana, os serviços vão se concentrar nos macacos e na área molhada, com árvores, tronco, espelho d'água, peixes e outros elementos, além do calçamento. "É feita uma estrutura metálica como base, com ferros mais pesados, mais resistentes, e em cima usamos tubos industriais e vergalhão para receber uma tela de viveiro. É este material que recebe o chapisco, para que possa ser finalizada a modelagem no cimento", explicou Gomes. O chapisco é uma argamassa feita de cimento e areia grossa para fazer a cobertura nos animais gigantes.

Após estas finalizações, os trabalhadores vão se concentrar nos cenários de ninhos de pássaros, orquidário e insetos. Paralelamente à modelagem em concreto, no local do parque, no galpão da obra, artistas fazem mais animais, modelados com uma base de celulose e EPS, também conhecido como isopor, material derivado do poliestireno expandido. Pelo galpão estão as esculturas de beija-flor, garça e sapo.

“Podemos ver os grandes animais da nossa fauna, como jacarés, onças, iguana, macacos com as armaduras, revestimento e as montagens em evolução. São técnicas usadas por artistas de Parintins e a expectativa é de podermos entregar esta obra no primeiro semestre de 2024”, afirmou o diretor-presidente do Implurb, Carlos Valente.

Os gigantes estão na segunda etapa do parque, entre as avenidas Isaías Vieiralves e Olívia de Menezes Vieiralves, nas zonas Leste e Norte. A etapa cênica e de área molhada têm prazo de entrega de 12 meses.

A primeira etapa do espaço foi entregue no aniversário de Manaus, em outubro de 2023.

Etapa cênica

Entre ferros moldados e esculpidos, operários seguem executando os cenários com vários níveis de conclusão e acabamento. A construção terá cenários interativos temáticos, com rampas de escalada, escorregadores, área molhada, entre outros. Todas as figuras ligadas à floresta serão manuseadas como brinquedos lúdicos para as crianças e interativos para os adultos.

Parque

O parque é resultado de um convênio firmado entre Prefeitura de Manaus e governo do Estado, com dois quilômetros de extensão. A primeira etapa do espaço foi entregue no aniversário de Manaus, em outubro de 2023.

As bacias de retenção de água pluvial ajudam a dar o traçado natural do espaço público, com curvas e aclives, ganhando áreas de vivência, bosqueadas, faixa saudável com pista de caminhada, faixa verde para a arborização e ciclovia, quiosques, um inédito playpet e mobiliários.

A terceira fase tem um conjunto habitacional dividido em três blocos distintos de cinco pavimentos cada, com vagas de estacionamento para carros e motos. Entre os blocos serão construídas calçadas  arborizadas e mais playgrounds.

Publicidade TCE
Publicidade UEA
Publicidade CMM

Mais Recentes