Ir para o conteúdo

‘Picolé’ e ‘Mano Queixo’ vão deixar a prisão

Foi estabelecido pela justiça que Lucas Picolé cumprirá pena de três anos e quatro meses, por tráfico de drogas, inicialmente em regime semi aberto

Mano Queixo à esquerda e Lucas Picolé à direita

O Alvará de Soltura de João Lucas da Silva Alves, o ‘Lucas Picolé’ e Enzo Felipe da Silva Oliveira, o ‘Mano Queixo’ já foi expedido pela Justiça do Amazonas, nesta segunda-feira (18/12), e a qualquer momento eles vão deixar o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM). A notícia é do site Estado do Amazonas.

Essa é a expectativa dos familiares da dupla que sonham passar o Natal com eles em casa. A família de Lucas Picolé e Mano Queixo agradeceram ao advogado Vilson Benayon que trabalhou incansavelmente desde que assumiu a defesa, para que Lucas Picolé conquistasse a liberdade e Mano Queixo fosse absolvido das acusações, da “Operação Dracma”, realizada nos dias 29 de junho a 05 de julho deste ano quando os influenceres foram presos.

Relembre quando eles foram presos

As penalidades

“Foi estabelecido pela justiça que Lucas Picolé cumprirá pena de três anos e quatro meses, por tráfico de drogas, inicialmente em regime semi aberto, além de pagar multa referente a um trigésimo do salário mínimo neste período”, explicou Vilson Benayon.

Picolé também vai prestar durante esse período do cumprimento da pena serviços comunitários ou a entidades públicas e limitação de fim de semana, a ser executada na forma e em estabelecimento(s) indicado(s) pela Vara de Execução de Medidas e Penas Alternativas (VEMEPA).

Foi levado em consideração na aplicação das penas o fato de Lucas Picolé ser réu primário e ter bons antecedentes, já Enzo Felipe da Silva Oliveira foi absolvido de todas as acusações do Ministério Público Estadual.

A justiça ainda determinou a incineração dos entorpecentes. “Uma quantidade pequena no carro de Lucas Picolé da qual ele só soube que tinha quando estava na delegacia”, disse Vilson Benayon que pretende recorrer da decisão, por ser contraria as provas dos autos. “Acreditamos na inocência de Lucas Picolé”, finalizou o advogado criminalista.

Publicidade TCE
Publicidade UEA
Publicidade CMM

Mais Recentes