Ir para o conteúdo

Polícia atribui a pilotos culpa por acidente que matou Marília Mendonça

Para a PCMG houve homicídio culposo triplamente qualificado por parte do piloto e copiloto

A Polícia Civil de Minas Gerais apresentou na manhã desta quarta-feira (4) a conclusão do inquérito sobre a queda do avião que matou Marília Mendonça e outras quatro pessoas, em novembro de 2021, em Piedade de Caratinga, região Leste de MG.

De acordo com o delegado de Caratinga, Ivan Lopes, foi constado que houve negligência e imprudência por parte dos pilotos, já que é uma praxe que eles façam contatos com outros profissionais quando pretendem pousar em um aeródromo desconhecido, o que, segundo a investigação, não foi feito.

Para a PCMG houve homicídio culposo triplamente qualificado por parte do piloto e copiloto, com a extinção da punibilidade já que eles faleceram, por isso foi sugerido o arquivamento do caso.

Cenipa descartou falha mecânica

Em maio deste ano, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira, apresentou um relatório descartando falha mecânica e apontando que 'avaliação inadequada' do piloto contribuiu no acidente que matou Marília Mendonça. O delegado explicou que não cabe ao Cenipa apontar a autoria e sim colaborar na prevenção de novos acidentes

Publicidade BEMOL
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade UEA

Mais Recentes