Ir para o conteúdo

Preso membro de grupo criminoso envolvido em sequestro e morte de pintor

Um dos mentores intelectuais do crime é parente de pessoas que deviam de cerca de R$ 90 mil à vítima

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), prendeu, na segunda-feira (16/10), Carlos Eduardo Souza Silva, 22, por envolvimento na extorsão mediante restrição da liberdade e morte do pintor Valdimício Rodrigues da Silva, que tinha 50 anos. O crime ocorreu no dia 2 de setembro deste ano, no bairro Tarumã, zona oeste.

Dois indivíduos, identificados como Francisco Vitor Barbosa Guedes e Jefferson Freire Rodrigues, estão sendo procurados por envolvimento no crime. Inicialmente, a equipe policial deu cumprimento a cinco mandados de prisão temporária, de nove ordens judiciais, para chegar na autoria definitiva do crime.

Em coletiva de imprensa da sede da DEHS, a delegada Marília Campello, adjunta da unidade especializada, disse que, no dia do fato criminoso, a vítima foi sequestrada enquanto esperava um transporte público, no bairro Praça 14 de Janeiro, zona sul, e levado para um cativeiro na zona norte.

“No cárcere, os criminosos transferiram todos os valores das contas bancárias da vítima e, no dia seguinte, ceifaram a sua vida com disparos de arma de fogo, no bairro Tarumã. Um dos mentores intelectuais do crime sabia que o homem possuía altos valores em contas bancárias por ser parente de pessoas que deviam de cerca de R$ 90 mil a Valdimício”, contou.

Conforme a delegada, em depoimento, Kennedy de Oliveira Mendes, um dos presos na primeira fase nas diligências, contou que a ideia de executar a vítima teria partido de Carlos Eduardo e que foi tomada a decisão somente no dia de sua morte.

“O que sabemos é que a morte de Valdimício aconteceria inevitavelmente, pois ele conhecia Kennedy, um dos autores, o qual ia constantemente ao seu encontro para pagar quantias referente a um empréstimo feito por sua sogra. Ou seja, a possibilidade é que desde o início eles iriam matar o pintor após extorqui-lo, na tentativa de saírem impunes. Mas graças aos trabalhos investigativos da DEHS, pudemos chegar a autoria definitiva”, disse.

Ainda segundo a delegada, além de Carlos Eduardo e Kennedy, outros dois indivíduos são apontados como executores do crime, identificados como Francisco Vitor Barbosa Guedes, conhecido como “Menor”, e Jefferson Freire Rodrigues, sendo este último tio de Kennedy e responsável por contratar Carlos Eduardo e Francisco Vitor para participarem do crime.

“Kennedy e sua esposa, Késsia Costa dos Santos, receberam R$ 15,5 mil como resultado da extorsão. Ela chegou a ser presa, mas foi liberada por estar no oitavo mês de gestação. Ela será indiciada por envolvimento no crime. Já Francisco Vitor e Carlos Eduardo receberam R$ 6 mil e R$ 5 mil, respectivamente. E Jefferson recebeu sua parte do dinheiro em espécie”, contou.

Procurados

A PC-AM solicita a quem tiver informações sobre o paradeiro de Francisco Vitor e Jefferson, que entre em contato pelo número (92) 98118-9535, disque-denúncia da DEHS, ou pelo 181, da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM). A identidade do informante será mantida em sigilo.

Procedimentos

Os envolvidos no crime responderão  por  extorsao mediante a restrição da liberdade da vítima e homicídio qualificado e ficarao disposição do Poder Judiciário.

Publicidade ENEVA
Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes