Ir para o conteúdo

Urnas funerárias intactas são encontradas no quintal de um ribeirinho no Amazonas

As urnas foram descobertas por Késia Silva, 28 anos, no quintal de seu pai, o agricultor Ciriaco Silva, após dias intensos de chuva

Objetos estão preservados em Alvarães - Foto: Tácio Melo

Três urnas, dentre elas, uma bem preservada e fragmentos foram encontrados por uma moradora nas proximidades do município de Alvarães, interior do Amazonas, 18km da cidade Tefé.

As urnas foram descobertas por Késia Silva, 28 anos, no quintal de seu pai, o agricultor Ciriaco Silva, após dias intensos de chuva. Em entrevista, a agricultora relata que as fortes chuvas ajudaram na aparição das cerâmicas ancestrais no quintal da casa de seu pai. A jovem notou um pedaço do objeto pintado com uma borda na superfície da terra e resolveu pedir ajuda de seus familiares e vizinhos para desenterrar as peças.

Sabendo da importância do material e do risco de os artefatos serem quebrados por crianças e/ou animais do sítio, a jovem decidiu retirar da terra os objetos com objetivo de preservar a peça e aguardar os órgãos interessados em avaliar as peças ancestrais.

“Eu logo percebi que isso não era uma coisa qualquer, me abaixei e falei para meu irmão que tratava-se de alguma peça indígena, então começamos a escavar. E na medida que fomos retirando, apareceram outros pedaços e outra urna ainda maior – todas com ossos humanos”.

Por esses dias, a família foi até a cidade de Tefé procurar instruções sobre os novos achados arqueológicos, e então procurou o IFAM Campus Tefé, que em seguida direcionou a família até o Instituto Mamirauá onde também receberam as primeiras instruções.

Ancestralidade e história no quintal

Aos 58 anos de idade, o agricultor Ciriaco da Silva, diz nunca ter visto algo parecido de tão perto. Ciriaco confirma ser descendente de indígenas da região do médio Solimões e diz que logo que passou a morar a partir dos anos 2000 nas proximidades de Alvarães, onde hoje tem sua casa, sentia uma energia diferenciada de outras regiões que morou e, após a escavações das urnas, relatou que no dia seguinte ao amanhecer, sentou-se na cadeira em frente sua casa e viu um clarão muito forte próximo de uma grande seringueira de seu quintal, nas proximidades onde foram encontradas as urnas.

Para o agricultor, que chegou não estava em casa no dia da descoberta, foi uma surpresa se deparar com uma urna, descrita por ele como algo fascinante.

O fotógrafo amazonense Tácio Melo, que conheceu a família em Tefé e foi até o sítio do agricultor, percebeu que o sr. Ciriaco e sua família tiveram bastante cuidado ao desenterrar as urnas, ao ponto de terem conseguido retirar uma delas, totalmente intacta e notou também o grande cuidado que a família tem com os objetos, que agora são guardados em uma cabana ao lado da casa com as ossadas indígenas, com a finalidade de preservar as urnas até a chegada de profissionais para serem avaliadas.

“Uma das urnas, dá impressão de que foram pintadas há alguns meses de tão conservadas que estão e em conversa com o sr. Ciriaco, notei que ele é uma pessoa que está valorizando sua história, sua ancestralidade, pois o mesmo confirma que seus avós eram indígenas, mas que infelizmente, a cultura e a língua de seus avós não foram repassadas para ele, mas ainda é possível notar o respeito e a gratidão que ele tem pelos seus ancestrais do Médio Solimões”, relatou o fotógrafo.

Desdobramentos históricos

Para professora natural do Amazonas, arqueóloga Arminda Mendonça, que foi sócia fundadora da Sociedade de Arqueologia Brasileira – SAB e fundadora do primeiro curso de arqueologia da América do Sul, na Faculdade de Arqueologia e Museologia Marechal Rondon no Rio de Janeiro, a região norte do Brasil ainda é um lugar para muitas descobertas. Ela cita que apenas cerca de 10% do conhecimento sobre os povos originários e seus modos de vida no Amazonas é conhecido.

“Viajei por várias partes do Brasil e muitas regiões do Amazonas, entre os anos 70 até o início dos anos 2000, e dessa experiência só tenho a dizer que temos no Amazonas, a maior população étnico regional do mundo. Com essa floresta gigante, é inimaginável o que ainda temos para descobrir. Das expedições com descrições, como a de Carvajal, que descreviam inúmeras ocas indígenas nas beiras dos rios (que pode ser um pouco de exagero, mas verídico), até aos relatos de dois séculos passados, é possível notar o quão grande eram as populações indígenas da nossa região. Hoje em dia, seja em Manaus, ou qualquer espaço contemplativo nas margens dos rios do nosso Amazonas, podem ser encontrados fragmentos dessas populações – é algo fantástico que me fascina” – relata a arqueóloga já aposentada.

Ao longo dos anos, já foram encontrados diversos fragmentos e urnas indígenas na região do Médio Solimões, sendo estas descobertas por pesquisadores e alunos da UEA sob a coordenação da arqueóloga Arminda Mendonça, e nos anos mais recentes pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, que conta com vários especialistas que tem ajudado na conservação dos achados arqueológicos da Floresta Nacional de Tefé, localizado a 552 Km de Manaus, no Amazonas.

Publicidade TCE
Publicidade CIESA
Publicidade UEA

Mais Recentes