Ir para o conteúdo

Dito & Feito - Sinésio reclama e leva ‘no olho’ de Alessandra Campelo

Não é de hoje que bolsonaristas tentam flexibilizar licença maternidade, com desculpa de que 'empresas não podem parar'

Charge de Mário Adolfo

Embora recuse a pecha de “machista histórico”  o deputado Sinésio Campos (PT) levou uma no olho desfechada pela colega Alessandra Campelo. Sinésio protestava na tribuna contra a descontinuidade das comissões devido à licença maternidade de duas parlamentares. E até ameaçou entrar com um projeto para acabar com isso

— Entendo que é extremamente importante qualquer licença, ou médica ou maternidade do trabalhador ou trabalhadora, agora essa Casa não  pode sofrer descontinuidade de projetos que tramitam nas devidas comissões.

Entrou de sola

Foi aí que La Campelo entrou de sola.

— Deputado Sinésio, a deputada Joana Darc, assim como a deputada Mayara Dias estão de licença maternidade que é um direito de todas as mulheres!

Chamados na responsa

Em seguida a parlamentar cobrou que a  comissão  tem outros membros e “são eles que têm que ser chamado à responsabilidade!”

Bebê a bordo!

Alessandra observou que as duas parlamentares que ganharam bebê recentemente não poderiam jamais largar o resguardo, a licença e sair correndo para a Assembleia só porque Sinésio quer.

Te acostuma, macharada!

Dito isso, Alessandra sapecou:

— Essa casa precisa se acostumar aos direitos da mulheres. Seja uma deputada ou uma assessora da Casa, a gente tem que ter um funcionamento regular das comissões, independentes das mulheres que estiverem  de licença!

Não sou machista!

À coluna D&F, Sinésio disse que as cutucadas que levou nas redes sociais e o uso do termo 'machista histórico' foram injustas, "porque não foi nada disso que aconteceu”.

*

—  Quem está de licença maternidade ou médica, parlamentar e assumiu cargos ou funções no Executivo , as comissões parlamentares tem suplentes para assumir as respectivas funções . Até porque quem está de licença não pode legislar. Foi Isso que aconteceu!

Assunto perigoso

Embora Sinésio se justifique, é periogo abordar este tipo de assunto, até porque não é de hoje que correntes bolsonaristas tentam flexibilizar exatamente leis como a da licença maternidade. Tocar neste tipo de assunto, já consolidado em nossa sociedade, traz de volta uma discussão que aquece quem é contra o direito das mulheres.

Tarado do supermercado

E por falar em Alessandra Campelo, a deputada denunciou o caso de um homem que foi flagrado importunando três mulheres num supermercado da Zona Centro-Sul de Manaus no último fim de semana.

*

A denúncia foi levada à tribuna da Casa na sessão desta quarta-feira (24/04).

Caçada ao maníaco

As imagens mostram duas das vítimas observando o balcão de uma lanchonete dentro do supermercado, quando o suspeito, de camisa cinza, se aproxima por trás e passa a mão nas nádegas delas.

*

Em seguida, o homem passa a mão em outra mulher, que estava mexendo em um celular. Ao sentir a ação do suspeito, a vítima virou e chegou a empurrá-lo.



image.png




Calada nunca mais

Procuradora da Mulher, La Campelo defende a prisão em flagrante para esse tipo de caso.

— Nós precisamos mostrar à sociedade que não é normal acontecer esse tipo de coisa e a gente ficar calada –, disparou a deputada.

*

Da tribuna, a deputada informou que o nome do importunador é Antônio Ednelson Lopes, 61 anos, que seria servidor público federal.

Pacheco quer Braga


O senador Eduardo Braga (MDB-AM) fez mesmo um bom trabalho na reforma tributária.

Nesta terça-feira (23), o  presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) defendeu que ele seja o relator das propostas de regulamentação da reforma.

Experiência conta

Pacheco destacou a experiência de Eduardo por ter relatado a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada no ano passado.

Foi ele que definiu as diretrizes principais da reorganização do sistema de tributos.

*

— Eu acho importante que os projetos de lei que regulamentam a  reforma tributária tenham o mesmo relator, para haver uma análise sistemática e complementar de tudo, o mesmo raciocínio, por um mesmo relator —, justificou.

Bandido demais...

É tanto pilantra no Brasil que está faltando tornozeleira  eletrônica.

O estado de São Paulo, por exemplo,  está enfrentando dificuldades em lidar com a demanda crescente por tornozeleiras eletrônicas, que são utilizadas para monitorar presos beneficiados por saídas temporárias do regime semiaberto.

... Tornozeleira de menos!

Segundo reportagem publicada do Estadão, atualmente, o número médio de presos que têm direito a essas saídas é quatro vezes maior do que a quantidade de equipamentos disponíveis.

ÚLTIMA HORA

Google vai proibir propaganda política em sua plataforma


propaganda beleitora.jpg



A decisão do Google de proibir a veiculação de propaganda política no Brasil em sua plataforma de anúncios, que começa a valer a partir de maio, expõe a indisposição de plataformas digitais com a moderação de conteúdo, mas há incerteza sobre o impacto disso no mercado de anúncios eleitorais no país.

A gigante da tecnologia informou que "vai atualizar sua política de conteúdo político do Google Ads para não mais permitir a veiculação de anúncios políticos no país". A decisão foi tomada após a atualização das regras para impulsionamento de propaganda eleitoral feita pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em fevereiro.

*

Para as eleições brasileiras deste ano, vamos atualizar nossa política de conteúdo político do Google Ads para não mais permitir a veiculação de anúncios políticos no país. Essa atualização acontecerá em maio tendo em vista a entrada em vigor das resoluções eleitorais para 2024. Temos o compromisso global de apoiar a integridade das eleições e continuaremos a dialogar com autoridades em relação a este assunto”, diz nota do Google.

ORGULHO

CHARGE SUPERM CARO.jpg



Na esperança de enfrentar o aumento de preços de produtos em mercearias, um supermercado, recém inaugurado, só vende produtos de baixo custo para pessoas vulneráveis. Lá tudo é mais barato.

Em parceria com o Food Bank, maior instituição de caridade de combate à fome da Austrália, o supermercado Pantry consegue comprar produtos por um preço mais baixo e na hora de fazer o repasse ao consumidor, o valor da mercadoria cabe no bolso da população.

“O objetivo é realmente atingir aqueles que estão enfrentando dificuldades e fornecer utensílios domésticos básicos a um custo muito mais baixo”, disse Krystal Moores, gerente executiva de desenvolvimento comunitário da empresa responsável pelo projeto.

VERGONHA



image.png

Bilhete grampeado na criança:  Uma professora que faz isso deve ser banida do magistério



Uma professora da rede municipal de ensino de Nova Friburgo (RJ) foi afastada após grampear um bilhete na camiseta do uniforme de uma criança de 5 anos. Segundo a mãe, Jennifer Kelly Silva, o recado permaneceu grudado à roupa do filho durante todo o período de aulas.

"Mamãe, favor mandar outra caderneta! Obrigada", dizia a mensagem escrita no bilhete. À reportagem, a mãe desabafou sobre o sentimento de 'indignação' com o ocorrido.

— Sinceramente, [dá] vontade de chorar, nunca imaginei que pudesse acontecer uma coisa dessas com o meu filho. Quando a gente deixa aqui, a gente espera que ele seja bem cuidado, bem tratado. É uma criança de 5 anos.

O caso aconteceu na quarta-feira, 17, na Escola Municipal Santa Paula Frassinetti, no centro da cidade da região serrana do Rio. Jennifer conta que foi avisada do ocorrido por uma amiga, que foi buscar o filho dela na escola, ao meio-dia.

OUTRAS PALAVRAS

tIM.jpg



Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita”.

Tim Maia

Publicidade ATEM
Publicidade TCE
Publicidade BEMOL
Publicidade UEA

Mais Recentes